CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

7 de abr de 2012

A REVOLTA DOS BICHOS-QUÃO ATUAL É ESTA FÁBULA NOS DIAS DE HOJE...

Uma rebelião provocada por animais a granja Solar de propriedade do Sr. Jones e idealizada através de um sonho do Major, velho e importante porco da granja, de que os bichos seriam governados por eles próprios.
Major reflete sobre solidão, natureza da vida , miséria, trabalho, falta de liberdade e pouco tempo de vida dos animais, além da crueldade dos homens e servidão, buscando respostas para entender, porque os animais aceitaram essa situação como ordem natural das coisas? Assim, transmite aos companheiros, que o homem seria o único e verdadeiro inimigo dos animais, e que a tirania dos humanos seria responsável por todos os males de suas existências.
Livrar-se do homem era a maneira de encontrar a liberdade e tornarem-se ricos. A rebelião seria o caminho, que mais cedo ou mais tarde aconteceria. Porém, os animais precisariam concordar em nunca agir como os homens. Porque, luxo, mordomias, vícios, dinheiro e comércio são hábitos maus e só servem para tiranizar.
Três dias após a reunião, Major morre tranqüilo durante o sono e seu sonho de liberdade foi repassado a jovens e letrados barões, Bola-de-Neve e Napoleão, e para o castrado porquinho Garganta, que sobressaia pela capacidade enorme de persuadir.
Com características distintas, Bola-de-Neve era ativo, bom nas palavras, criativo mas não muito sólido em caráter. Napoleão ao contrário, pouco falante, aparência ameaçadora, mas com reputação de grande força de vontade. Sobre direção desses, se mantinham reuniões secretas para traçar estratégias da rebelião, um sistema de pensamento foi traçado com os ensinamentos do Major e deram o nome de Animismo, o qual expunha nas reuniões secretas aos bichos, encontrando de início, resistência por parte de alguns, devido à ignorância.
Não tardou acontecer, o Sr. Jones, proprietário da granja, negligenciando sobre a alimentação dos animais acendeu o estopim da revolução. Os bichos com fome se revoltaram, rebentaram a porta dos celeiros, avançaram em busca de comidas, o Sr. Jones com peões, empunhando chicotes, saíram batendo. Os bichos lançaram-se contra seus verdugos, em pouco tempo peões e Jones deixaram de defender-se e deram o fora. E assim, a rebelião vencera a situação. A Granja Solar era dos bichos!
Após a euforia, os porcos revelaram que aprenderam a ler e escrever nos últimos três meses. Então, Bola-de-Neve apaga o nome da Granja, e escreve no lugar: Granja dos Bichos, com os estudo adquiridos, seria possível resumir os princípios do Animalismo em sete mandamentos o qual deveria reger a vida na Granja para sempre. Assim fizeram:
1. Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo.
2. O que ande sobre pernas, ou asas, é amigo.
3. Nenhum Animal usará roupa.
4. Nenhum animal dormirá em cama.
5. Nenhum animal beberá álcool.
6. Nenhum animal matará outro animal.
7. Todos os animais são iguais.
De acordo com os mandamentos, os também aceitam executar suas tarefas em menos tempo. Porém, houve reclamação das vacas que não eram ordenhadas há 24h., os porcos fizeram o serviço retirando cinco baldes de leite. O destino do leite não se soube.
Aos porcos, cabia a tarefa de dirigir e supervisionar o trabalho dos bichos, também lhes cabia a tarefa de ensinar ler e escrever, que só teve sucesso entre porcos e cães, razoavelmente! Mesmo com porcos atrás, gritando e dando ordens, o trabalho transcorria satisfatório. O princípio de igualdade era alento entre os bicho, o produto do trabalho era para eles. Não havia roubos nem reclamações.
Havia descanso dominical, reuniões para aprender a votar. O depósito de ferramenta vira sede da direção, cria-se um comitê de reeducação dos camaradas Arredios, objetivando domesticar ratos e coelhos.
Tudo transcorria bem. Bola-de-Neve fazia projetos para aproveitamento de esterco e para a construção de um moinho de vento objetivando trazer o progresso para a granja. Napoleão era sempre do contra. Para ele, os animais deveriam conseguir armas de fogo. Na votação, Bola-de-Neve consegue convencer que o moinho era a melhor proposta. Porém, Napoleão parte para o ataque com guincho estridente chamando ao seu socorro nove cães enormes que saltam sobre Bola-de-Neve o expulsando da Granja.
Com a fuga de Bola-de-Neve acusado de traição, Napoleão assume o comando, convencendo que o projeto era realmente de sua autoria, toca pra frente à execução. Os bichos doam-se ao máximo. O moinho é levantado mas cai na 1ª tempestade. Bola-de-Neve é acusado de sabotagem. Os bichos reconstroem com mais segurança. A ração fica escassa para os bichos. Esclarece-se o mistério do leite. Esse, era misturado à comida dos porcos juntamente com as maçãs, justificado como preservação de saúde dos porcos.
Houve ataques dos granjeiros da vizinhança, porém os animais reagiram.
A vida na granja já não era a mesma, o alimento ficou escasso e com proibições para aqueles calóricos com pretextos de não engordar os bichos. Napoleão juntou-se aos outros granjeiros da vizinhança, fez comércio com a produção, ganhou dinheiro, começou a dormir em camas, vestir roupas, plantar cevada para produção de bebidas, comprou bebida e bebeu, decretou sentenças de mortes, envolveu-se em jogos de azar, desrespeitou todos os mandamentos do Animalismo.
No final dessa história. Os porcos se igualaram tanto aos homens! Que era impossível distinguir quem era homem e quem era porco. Até para os próprios bichos da Granja dos Bichos!
Fonte: ORWELL, George, 1945 . A REVOLUÇAO DOS BICHOS . Tradução de Heitor Aquino Ferreira – 62ª reimpressão, São Paulo, ed. Globo, 2000. http://melamigoanimal.blogspot.com.br/2010/04/george-orwell-e-fabula-dos-bichos. html, in 24/03/2012. Esta Fábula é de Eric Arthur Blair (Motihari, 25 de Junho de 1903[1][2] – Londres, 21 de Janeiro de 1950),[3] mais conhecido pelo pseudónimo George Orwell.